Saiba o que Tevez pediu para fechar com o Flamengo

Carlos Tevez acertou sua ida ao Boca Juniors-ARG pela terceira vez na carreira depois de uma passagem de um ano milionária, mas pouco produtiva em campo, na China. Antes disso, porém, seus procuradores tentaram emplacá-lo no Brasil, mas os valores pedidos foram considerados surreais por dirigentes.

Por dois anos de contrato, o mesmo tempo que pretende permanecer no Boca, o atacante argentino de 33 anos pedia luvas (bônus por assinatura de contrato) de US$ 5 milhões, R$ 16 milhões em cotação atual. De salário, o desejo beirava os R$ 850 mil mensais.

Nenhum clube brasileiro se interessou. Corinthians, pela ligação com o jogador que teve passagem brilhante pelo Parque São Jorge entre 2005 e 2006, e o Flamengo, que procura opção ao suspenso Guerrero e financeiramente vive bom momento, foram procurados primeiro.

Mas a vontade de Tevez jogar no Brasil, e os valores, chegaram a outras equipes, como Cruzeiro, Atlético-MG, Grêmio e São Paulo. Os valores eram rechaçados imediatamente, mesmo com a promessa de se parcelar as luvas nos 24 meses de contrato, e até de transformar parte dos R$ 850 mil mensais em um contrato de produtividade — quanto mais Tevez jogasse, e fizesse gols, mas perto do valor final o salário chegaria.

Além da quantia alta, executivos de clubes brasileiros não acreditaram que Tevez pudesse responder em campo. No fim de 2016 ele deixou o Boca, clube em que começou a carreira e tem grande identificação, e acertou para jogar no Shanghai Shenhua, onde recebeu o maior salário do futebol em 2017: R$ 147 milhões.

O rendimento, porém, foi desproporcional ao que receberia: fez 16 jogos, anotou quatro gols e seu time acabou apenas em 11º no Campeonato Chinês — por isso conseguiu se desligar do Shenhua.

Fonte: UOL Esporte